NEUROMARKETING – Conheça o que seus clientes querem.

00_marketing_digital_blog

NEUROMARKETING E WEBSITES

Como um web site pode ter mais sucesso que outro?

Porque há mais visitantes em um web site do que em outro?

Porque um web site vende mais que outro?

Porque as pessoas decidem comprar algo no site A e não no site B?

Essas são perguntas muito frequentes tanto para quem desenvolve web sites quanto para quem precisa de um web site. Para responder essas perguntas em primeiro lugar, você deve ter em mente que não existe mágica nem sorte quando se trata de web sites. Existe sim toda uma ciência envolvida cobrindo diversas áreas que vão dar respostas para que você possa projetar seu web site e atingir o objetivo do mesmo na Internet.

Entre vários aspectos importantes, um deles é comum a todo o projeto: o Neuromarketing.

O Neuromarketing  é um campo relativamente novo do Marketing que iniciou em 2002. Ele usa informações científicas, estudo sobre processos cognitivos, memória, comportamento e psicologia junto com o Marketing “tradicional” para aumentar o poder de persuasão e sugestão de um item. Influenciando na tomada de decisão de um cliente sobre um determinado produto ou serviço. É um assunto complexo e extenso, e sendo assim, vou me focar apenas sobre sua aplicação em web sites.

O NEUROMARKETING APLICADO A WEBSITES:

A primeira pergunta desse artigo foi: “Como um web site pode ter mais sucesso que outro?

Bem, como eu já havia escrito anteriormente não é mágica e sim ciência. Sites de sucesso estão “apoiados em 3 pilares” fundamentais: Atenção, Emoção e Memória. Baseado nesses 3 pilares você pode desenvolver o marketing do seu web site, serviço ou produto e direcionar ao seu publico de forma mais precisa e com mais chance de “agradar” os interesses do mesmo. Os 3 pilares são:

1 – Atenção:

Existem diversas formas de chamar a atenção. Podemos usar gráficos  bem elaborados, cores e etc. Mas o que chama a atenção em um web site é a informação que ele contém. As pessoas procuram web sites justamente para saber “tudo” sobre uma marca, produto ou serviço. Dê ênfase a informação propriamente dita. É importante mostrar as vantagens de seu produto ou serviço, mas é tão ou mais importante mostrar para o visitante o porque o produto ou serviço é necessário e importante para ele. Seja o seu website a maior fonte de informação possível de seu serviço ou produto.

2 – Emoção:

Quando você abre um site os primeiros instantes são de pesquisa visual, ou seja, a pessoa irá “scanear visualmente a tela” a procura de alguma  referência para a sua necessidade. A partir desta referência é que a leitura começa propriamente dita. Então sempre use imagens que tenham seu contexto referente ao que as pessoas procuram.

Um exemplo: Se você  vende um serviço de música, coloque alguém tocando, ou com fones de ouvido e claro, uma imagem que reflita “alegria” daquele momento. Pode parecer bem óbvio isso, mas se você pesquisar na internet por sites de música, perceberá que muitos colocam coisas que sequer lembra algo ligado a música. E porque é errado isso? A ciência do Neuromarketing explica:

Pessoas não se identificam com desenhos de senoides, imagens de caixas de som ou fones. Pessoas se identificam com pessoas. Ver uma pessoa ouvindo musica e feliz transmite visualmente a emoção, e quase automaticamente o visitante “se colocará” no lugar da pessoa da imagem. Criando a “ligação emocional” entre o que ele vê e o que ele sente quando ouve música. Então use imagens de pessoas em ações relativas ao seu produto ou serviço sempre.

3 – Memória:

Por causa dos 2 motivos acima descritos, o visitante guardará em sua memória a sua marca ou produto, e respectivamente seu web site. Um exemplo disso: a grande maioria das pessoas guardam o nome do cantor ou da banda quando gostam de uma música. Mas tem dificuldade de guardar o nome da música em si.

Esse fato acontece porque  o ser humano tem mais facilidade de memorizar emoções causadas por outros seres humanos do que por objetos e palavras. Por exemplo: Se eu escrever agora “três homens azuis”, com certeza você vai saber quase que na hora que empresa eu falo e qual o ramo dela. 🙂

Essa ordem que foram apresentados os 3  pilares também não é por acaso. O Neuromarketing também se utiliza de um quarto pilar que foi usado para organizar os 3 primeiros pilares: a fluência cognitiva.

neuro2

Pesquisas realizadas em campo e em laboratório sobre as respostas do cérebro a estímulos visuais, emocionais e de comportamento. Fonte das imagens: SensoMotoric e NeuroFocus.

FLUÊNCIA COGNITIVA E A ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO:

Fluência cognitiva é a ligação que fazemos entre facilidade e tempo e os  resultado ou satisfação que obtemos de determinadas ações ou coisas.

Um exemplo da fluência cognitiva em imagens é a percepção de tempo. Em uma imagem, o lado esquerdo sempre é associado ao “passado” ou ao “antes”. E seu lado direito ao “futuro” ou “depois”.

Outra característica da fluência cognitiva em imagens é a proximidade entre o “antes” e o “depois”.  Quanto mais perto os elementos representativos de “passado” e “futuro” estiverem  mais forte e maior e a sensação que se tem de velocidade e capacidade de atingir resultados.

Da mesma forma textos e descrições sobre produtos, as melhores vantagens ou de maior interesse, deixe para descrever por último no texto. Use também textos em circuito fechado, associação semântica, coesão textual, linguagem diferenciada para cada target, apelos call-to-action, discurso deliberativo e tantas outras técnicas de redação de marketing.

Existem claro diversos outros fatores que devem ser empregados em nível de design visual e de conteúdo no web site obviamente. Mas utilizando os conceitos do Neuromarketing as chances de você obter sucesso são muito maiores. Cientificamente falando.

Apesar de complexo e vasto esse assunto espero ter passado o contexto e aplicação básica sobre Neuromarketing para que você possa através dessas técnicas obter mais sucesso em web sites.


Desde 2005 fornecendo qualidade.